Home PRTAzienda PRTProdotti PRTEventi PRTContatti PRTMenuspaziaturaPulsanteinfopazientenoscritta
Esec Fascia Per Paziente okk
Para o paciente
 
Tecido ósseo
O nosso tecido ósseo é um tecido especializado que oferece suporte mecânico para o nosso corpo. É um tecido vivo que está constantemente a ser reestruturado. Uma parte do osso é degradada e, ao mesmo tempo, a outra parte do osso é reconstruída. E desta forma, o osso pode reparar as microfraturas e agir como um grande“depósito” - para o nosso corpo - de íon cálcio, que é essencial para as funções vitais principais.
 
Defeitos ósseos
Os defeitos ósseos que necessitam de uma cirurgia de regeneração óssea, surgem por diferentes razões. Podem ser causados por trauma: um exemplo são acidentes rodoviários em que, infelizmente, muitas vezes criam fraturas dos ossos longos com perda de substância óssea. Os defeitos ósseos podem ser causados por atrofia, tais como, por exemplo, perda de massa óssea na mandíbula e maxila quando, depois da perda de dentes por diversas razões, o osso não é mais estimulado e atrofia. A perda óssea também ocorre durante uma revisão de prótese de anca: anos depois de a prótese ser implantada, começa a mobilizar e requer uma substituição. O movimento da prótese antes da substituição causa frequentemente perda de massa óssea que devem ser restaurada.
 
O que pode ser feito?
Infelizmente, os defeitos ósseos não se reparam a si próprios (para além de quando são muito pequenos e só após trauma). Para restaurar o defeito ósseo, deve ser executado um enxerto ósseo: ou seja, é inserido um biomaterial no defeito que permite aos vasos sanguíneos e às células encher o volume do defeito, dando-lhes apoio e reparando o defeito.
 
Que biomaterial?
Foram usados diversos materiais na história da medicina. Uma escolha possível é usar o tecido ósseo do próprio paciente: é obtido a partir de um doador local e colocado no local aceitante. Esta é uma técnica testada e comprovada que, no entanto, cria algum risco e desconforto para o paciente: é necessária uma segunda cirurgia e, portanto, o paciente é operado em dois locais separados do seu corpo e - para uma grande cirurgia de colheita óssea, como a crista ilíaca (quadril), é possível a ocorrência efeitos desagradáveis após a cirurgia (por exemplo, dor), que pode durar durante vários meses. É por isso que tem sido estudado um grande número de materiais alternativos. Os materiais sintéticos podem ser uma boa alternativa, mas têm o defeito de diferir muito do osso natural. Foram procurados mais materiais similares e o uso de ossos de animais obtidos de mamíferos foi destacado como a melhor alternativa possível.
 
Porquê mamíferos?
O homem é um mamífero, tal como coelhos, vacas, cavalos, etc. Mamíferos são muito diferentes, mas, em termos de osso, têm muita coisa em comum. Acima de tudo, a parte mineral (sólida) do osso é extremamente semelhante. Tem uma composição química idêntica e a mesma arquitetura tridimensional (embora com variações na densidade devido ao peso do animal). A utilização de utilizar a parte mineral do osso de um mamífero, como material para enxertos de osso é uma ideia atraente, desde que todas as substâncias reconhecidas pelos nossos corpos como substâncias estranhas sejam eliminadas. Este enxerto - do osso natural, não sintético - será mais bem aceite pelo nosso corpo e juntar de melhor forma os processos naturais de reparação do tecido ósseo, garantindo o melhor resultado possível: uma regeneração completa do tecido ósseo do paciente, sem materiais estranhos restantes.
 
O método de eliminação de antígenos da Bioteck.
No entanto, para evitar reações negativas, devem ser eliminadas as substâncias presentes no osso do mamífero escolhido, que o nosso corpo reconhece como estranhas. E este processo deve de ser feito sem destruir a parte mineral do osso. Uma solução possível consiste em aquecer o osso a temperaturas elevadas (superiores a 600°C!). As substâncias estranhas irão dissolver e tornarem-se em gás, podendo ser removido. No entanto, este método não funciona corretamente: a parte mineral é modificada e o osso torna-se difícil de reabsorver: pode ser encontrado até mesmo 10 anos após o enxerto. É por isso que a Bioteck criou um processo alternativo e altamente sofisticado. Em vez de usar calor, usa enzimas. Enzimas são substâncias neutras que podem acelerar reações químicas que seriam lentas de qualquer outra forma. Por exemplo, a gordura dissolve tão lentamente em água que pode ser considerada como praticamente insolúvel. Mas, se adicionarmos um enzima específico na solução, referida como lipase, a reação realiza-se mais rapidamente e a gordura pode ser dissolvida em água. Uma característica específica de enzimas é o facto da temperatura à qual atuam ser .... a temperatura do nosso corpo: 37°C! O método Biotech submete o osso natural a uma mistura consistindo de várias enzimas escolhidas especificamente para dissolver as substâncias estranhas que de outro modo seriam prejudiciais. Após uma semana de tratamento (o processo é altamente sofisticado e complexo), o osso fica completamente limpo e pronto para enxertar. À medida que o tratamento ocorre a uma temperatura natural (37°C), a parte mineral não é destruída e mantém-se idêntica ao do osso humano.
 
Quais são os benefícios para o paciente?
Há inúmeros benefícios para o paciente receber um enxerto de substituto ósseo Bioteck: em primeiro lugar, a qualidade do enxerto ósseo. É um osso natural tratado por um processo biotecnológico avançado que nenhuma outra empresa é capaz de oferecer. E o enxerto de osso natural, tratado com este processo de eliminação enzimática de antígenos é reconhecido como natural em nosso corpo: depois de um período variado de tempo (depende do local onde o enxerto é aplicado e as dimensões do defeito), mas não mais do que um ano em qualquer situação (para defeitos menores, três meses será o suficiente), é completamente renovado e totalmente substituído por osso do paciente, para fazer uma verdadeira regeneração adequada com qualquer resíduo material estranho. Esse é o resultado clínico que todos desejamos obter: a regeneração do nosso próprio tecido ósseo, como era antes do trauma ou atrofia.
 

This website uses cookies to manage authentication, navigation, and other functions. By using our website, you agree that we can place these types of cookies on your device.

View Privacy Policy

You have declined cookies. This decision can be reversed.

You have allowed cookies to be placed on your computer. This decision can be reversed.